Museus virtuais e história oral: valorizando novas histórias e democratizando conhecimentos

A sociedade contemporânea se apresenta para nós como um grande aglomerado de elementos, muitas vezes repletos de contradições. Se, por um lado, percebemos a intensificação na comunicação entre pessoas e grupos, não podemos ignorar situações preocupantes de intolerância em diversas esferas da vida social.

Neste sentido, são de extrema relevância iniciativas que buscam problematizar estas questões em torno de alternativas mais democráticas de manifestação social, cultural e política.

Os trabalhos que se apóiam na valorização da experiência de grupos que ao longo de sua história foram marginalizados, tais como indígenas, negros, mulheres, homossexuais, deficientes, entre outros, são representativos nesta investida de democratizar a produção e disseminação de conhecimentos.

Além de buscar maior visibilidade a estas “outras histórias”, tais trabalhos buscam ampliar as formas de produzir novos saberes, relacionando maneiras tradicionalmente conhecidas com novas possibilidades oferecidas pela modernidade. Sendo assim, o registro de experiências de pessoas e grupos se utiliza de procedimentos que tem como fonte a história oral e agrega novos instrumentos característicos da atualidade.

Experiência notável neste sentido tem sido desenvolvida em projetos da Fala Escrita, que através de atividades educativas, como oficinas e workshops, está realizando junto a diferentes comunidades estratégias que se vinculam às suas especificidades para empreender a produção de conhecimentos sobre si.

Desta forma, a criação de acervos documentais e de história oral, bem como a construção de museus virtuais e blogs se mostram possibilidades criativas que permitem agregar os integrantes das comunidades em torno de atividades que valorizam sua história e memória e possibilitam a divulgação destes conhecimentos e novos olhares acerca de suas experiências.

O mais recente trabalho neste sentido foi realizado em Andradina, em parceria com as Oficinas Culturais do Estado de São Paulo e contou com a importante participação de integrantes do Movimento Negro da cidade. Os resultados podem ser conferidos no blog criado a propósito da oficina e também do Museu Virtual que está sendo implementado pela própria comunidade.

Memórias, Identidades e Diversidades

Museu Virtual Cultura Negra de Andradina

Anúncios

Sobre falaeescrita

Doutora em História Oral pela FFLCH da USP Ver todos os artigos de falaeescrita

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: